Especialistas discutem futuro dos jornais

Nunca se discutiu tanto em livros, blogs, artigos, seminários, congressos e na mídia o futuro dos jornais. Em um documento sobre o assunto (em PDF) mais de 20 especialistas apresentam seus pontos de vista sobre as perspectivas do jornais diante da internet e da difusão de conteúdo para dispositivos móveis. São 73 páginas abordando o tema.

fernando f. silva

Da sala de aula para web: telewebjornal

Apresento aqui duas iniciativas de cursos de Jornalismo que merecem referência em relação à produção de programas jornalísticos de tv para a web. Um é o “Jornal Universitário” do curso de Ciências da Comunicação da UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, de Portugal. A outra experiência é o “Lambida News” vem do Curso de Jornalismo da Univates no Rio Grande do Sul.

fernando f. silva

Banda Larga 3G nos celulares e o jornalismo

Redes de alta velocidade em celular 3G é o assunto do momento no mundo da tecnologia no Brasil. Pelo menos dois aspectos merecem atenção com a implantação da rede 3G no país: o primeiro, o crescimento de aparelhos móveis digitais como o smartphones e celulares (o que não é novidade); segundo a possibilidade de, enfim, gerenciar arquivos pesados de áudio e vídeo diretamente do dispositivo móvel. Esse segundo aspecto é importante para o desenvolvimento do ambiente móvel de produção (não só para o campo da comunicação). Atualmente diversos profissionais trabalham em mobilidade e necessitam de tecnologias móveis com diversas funções e de conexões sem fio com capacidade de tráfego de dados em alta velocidade. Só na Espanha são 8,5 milhões de trabalhadores móveis (ver post anterior). E para o jornalismo o que representa a banda larga 3G? As experiências da Reuters relatadas aqui de construção, em parceria com a Nokia, de um kit para o jornalista móvel para produção diretamente do local do evento demonstram o quanto a estrutura de tecnologias móveis e conexões sem fio se vincula às perspectivas do jornalismo atual de produção e difusão de conteúdo a partir desses dispositivos portáteis. Em artigo científico disponível no post anterior eu discuto essas novas condições de produção jornalística em mobilidade. A Nokia na semana passada transmitiu ao vivo o lançamento do N82 a partir de uma webcam do próprio celular (foto acima). Logo, a implantação de redes 3G representa um avanço nessas condições de produção jornalística em mobilidade e a partir do local do acontecimento do fato proporcionando de forma mais intensa o acompanhamento e envio das notícias em tempo real.

Leia mais em profissionais móveis da Bia Kunze.

fernando f. silva

Artigo sobre jornalismo móvel

Como falei em posts anteriores estive entre quinta e sábado em Aracaju, Sergipe, participando do Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo – SBPJor. Ocorreram discussões bem interessantes sobre blogs, metodologias aplicadas ao jornalismo e mais especificamente ao estudo do jornalismo digital. Não deu para conhecer bem a cidade (com exceção da orla de Atalaia, o Mercado Municipal e o Calçadão). Estes dois últimos pontos são muito bonitos. O calçadão é o centro comercial da cidade, com a diferença que não circula veículos,o que oferece mais tranquilidade. É belíssimo. O mercado também é muito interessante com artesanato regional. Outro dia voltarei.
Estive numa mesa em que foi discutido assuntos de meu interesse sobre jornalismo open source, cibercultura, jogos eletrônicos. Meu artigo “Tecnologias Móveis na Produção Jornalística – do Circuito Alternativo ao Mainstream” está disponível aí em PDF. Discuto sobre como o jornalismo vem se apropriando dos dispositivos móveis digitais e das conexões sem fio para a produção jornalística. Analiso também o chamado jornalismo participativo. Enfim, se tiver interesse pode baixar e ler.

fernando f. silva