Vídeo sobre o projeto SUR-VIV-ALL

O professor André Lemos apresenta, em vídeo, as etapas para construção do projeto SUR-VIV-All lançado na semana passada (ver post) como parte do seu pós-doutorado em Edmonton, no Canadá. O SUR-VIV-ALL foi concebido a partir do livro de Margaret Atwood “Survival”e envolve Google Maps e GPS no mapeamento de hotspots na cidade. André Lemos também é coordenador de outro projeto similar do Grupo de Pesquisa em Cibercidades, WI-FI Salvador, que se constitui num mapeamento dos hostpots de Salvador. Lançado em julho do ano passado, o projeto já identificou mais de 60 hotspots entre pagos e gratuitos. No blog do WI-FI Salvador há um espaço para a colaboração das pessoas, que podem indicar pontos de acesso sem fio (hotspots).

Cobertura ao vivo [live streaming]

Esta semana o journalism.co.uk deu amplo espaço para o debate sobre o uso da transmissão ao vivo nos jornais online. Charles de Vroede, editor do de Telegraaf, apontou que o futuro era o live streaming e Bas Broekhuizen, editor of Volkskrant TV, considerou que seria inviável devido aos custos que isto representaria para as empresas de comunicação. Leia a notícia Live streaming is the future of newspaper news video online.

Recupero esta discussão, que tem sido alvo de outros posts do blog, porque coincide com a do artigo The Reporting Mobile, de Henrik Schneider, que acabo de ler no livro Mobile Studies (referência no final). Este artigo aborda o uso de celulares e tecnologias móveis no jornalismo participativo ou na citizen media e como isto está redistribuindo as forças na produção da notícia antes dominada pelo mainstream media. Desdobrando sua argumentação acerca da adoção intensiva dos mobile na produção do jornalismo cidadão o autor acredita que um dos aspectos que se sobressai com o uso de mensagens multimídias e tecnologias móveis [como nos mobloggings] é a cobertura de video em tempo real (por streaming) através de video phoning que “…a feature that will give a citizen journalist reporting abilities never before seen outside of professional media” (SCHEINEIDER, 2007, p.165). Ele reforça sua tese argumentando que numa zona de conflito o celular para transmissão em streaming leva vantagem. Mobile journalist e mobile environment fazem parte da construção do texto de Scheineider sobre reporting mobile. “The chance is there for advanced countries to gain an upper hand in mobile journalistic coverage because of the better availiability of mobile phones and networks. What good does a video broadcasting-capable phone do in a conflict zone if the present network is not ready to transmit the required data stream. This aspect seems similar to the case of the internet, but there is at least one major difference. Mobile penetration generally is higher than internet penetration in developing countries, which makes the mobile network a better way for narrowing the so-called digital divide and also for sharing news and information with the rest of the world.” (SCHEINEIDER, 2007, p.166).

Referência: SCHNEIDER, Henrik. The reporting mobile – a new platform for citizen media. In: NYÍRI, Kristóf (org.). Mobile studies – paradigmas and perspectives (coleção Communications in the 21 st Century. Viena: Passagen Verlag, 2007