Experiências com jornalismo móvel se multiplicam

Com ferramentas de live streaming e celulares 3G em abundância, o jornalismo móvel se expande pelos grupos de comunicação do Brasil e fora do país. As redações móveis (com notebooks e conexões sem fio) e as transmissões ao vivo estão menos dependentes de estruturas tradicionais para coberturas jornalísticas. Ou por outro lado: complementam esta estrutura tradicional com mais agilidade devido à portabilidade dos dispositivos e a mobilidade expandida, que colocam repórteres ao vivo de forma instantânea e de praticamente qualquer lugar a partir de celulares 3G ou de netbooks, entre outras ferramentas.
Esta semana duas iniciativas me chamaram a atenção em torno desta abordagem. A primeira publicada no Comunique-se revelando que o Primeiro Jornal amplia atuação do Band Repórter Celular. Veja trecho da matéria: “O Band Repórter Celular é uma tecnologia que possibilita ao jornalista transmitir ao vivo as imagens de um acontecimento e passar a informação por meio de um celular. O sistema foi desenvolvido com exclusividade para a emissora. Com o celular, a possibilidade de flagrantes para a TV fica muito mais fácil.” A Band tem uma parceria com a TIM para uso de sua rede 3G e vem se utilizando do jornalismo móvel nos seus programas de telejornalismo.
A segunda iniciativa é a do jornal de Oklahoma, dos Estados Unidos, o NewsOK.com, que realiza as coberturas de tempestadas na região a partir de ferramentas de redes sociais e de livestreaming. Esta notícia chegou até mim via Reunião de Pauta do Salatiel, que escreveu no post: “A novidade é que os repórteres foram para a rua em viaturas equipadas com mini laptop, rede sem fio e câmera portátil. Com mais o software Mogulus, passaram a fazer o que antes era exclusivo das TVs: transmissão ao vivo.”

As rotinas jornalísticas contemporâneas incorporam estas novas formas de operar a relação potencializada do jornalismo e mobilidade em redes de televisão, emissoras de rádio, portais jornalísticos e também no jornalismo impresso, que mesmo impossibilitado do tempo real, usufrui destas ferramentas para agilizar a produção tendo em vista que o repórter em coberturas pode enviar do local o material de forma mais rápida. Antes do início deste século se falava deste jornalismo instantâneo de uma forma futurística. No livro de John Pavlik, de 2001, ele apontava claramente esta visão tendo em vista que não tínhamos ainda tecnologias disponíveis e nem redes banda larga para o exercício pleno do jornalismo móvel. Entretanto, a paisagem agora é outra. Multiplicam-se as experiências.

Grupo RBS transmite em tecnologia 3G

O Grupo RBS começou a se utilizar de tecnologia 3G para transmissões ao vivo para o seu portal ClicRBS. A experiência começou no sábado (17/01) no programa de rádio “Clube da Bolinha” (rádio Rural AM ), que foi transmitido ao vivo em vídeo no sistema 3G, através do site ClicRBS. Hoje à noite, o ClicRBS realizou transmissão ao vivo com 3G do Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, mostrando os preparativos da abertura do Campeonato Gaúcho. Foi apresentado um tour em torno do estádio e a movimentação das torcidas do Internacional e Santa Cruz.


Detalhe

Cada vez mais os grupos de comunicação do Sul (RBS, ) Sudeste (TV Band), Nordeste (JC Online) e provavelmente outros adotam celular equipado com conexão 3G para transmissões ao vivo para seus portais ou emissoras de televisão e buscam integrar multiplataformas nas coberturas. No Campus Party, hoje, ocorreu um interessante debate sobre a temática mobilidade (assista o vídeo). O debate versou, principalmente, sobre jornalismo móvel e o uso de tecnologias móveis digitais em coberturas jornalisticas e contou com a participação de Juliana Vilas (Urblog da revista Época de São Paulo); Rafael Sbarai (consultor de novas mídias da revista Veja); Henrique Martin (Zumo), Eduardo Brandini (TV Band) e a moderação foi da amiga móvel Bia Kunze (Garota Sem Fio).

Livro “Blogs.com” disponível para download

O lançamento do livro “Blogs.com: estudos sobre blogs e comunicação” (SP, Momento Editorial, 2009), organizado pela Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Montardo, ocorrerá amanhã na quinta-feira, dia 22/01, durante o Campus Party, no palco CampusBlog. O prefácio é do André Lemos e posfácio de Henrique Antoun. O livro, que já está disponível completo em PDF em http://www.sobreblogs.com.br/, trata-se de uma obra imprescindível para os estudiosos de blogs e microblogs e demais variantes e está sob licença Creative Commons. Abaixo todos os autores e respectivos capítulos.
SEÇÃO I – BLOGS: DEFINIÇÕES, TIPOLOGIAS E METODOLOGIAS

  • Blogs: mapeando um objeto – Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Portella Montardo;
  • Ciberespaço e a escrita de si na contemporaneidade: repete o velho, o novo blog? – Rosa Meire Carvalho de Oliveira;
  • Teoria e método na análise de um blog: o caso Mothern – Adriana Braga;
  • A vitória de Pirro dos blogs: ubiqüidade e dispersão conceitual na web – Marcelo Träsel;
  • Práticas de blogging na blogosfera em língua alemã: resultados da pesquisa “Wie ich blogge?!” – Jan Schmidt;

SEÇÃO II – USOS E APROPRIAÇÕES DE BLOGS


  • O movimento Cansei na blogosfera: o debate nos blogs de política – Cláudio Penteado, Marcelo dos Santos e Rafael Araújo;
  • Contribuição dos blogs e avanços tecnológicos na melhoria da educação – Helaine Abreu Rosa e Octávio Islas;
  • Pedagogia dos blogs: posts sobre o uso da ferramenta no ensino de jornalismo – Rogério Christofoletti;
  • Blogosfera X Campo Jornalístico: aproximação e conseqüências – Leonardo Foletto;
  • Blogs como nova categoria de webjornalismo – Juliana Escobar;
  • Os blogs na web 2.0: publicação e organização coletiva de informação – Maria Clara Aquino;
  • Moblogs e microblogs: jornalismo e mobilidade – Fernando Firmino da Silva

A Tarde lança canal móvel

O Grupo A Tarde , de Salvador, lançou hoje o portal móvel Mobi A TARDE (m.atarde.com.br). Em versão beta, o canal vem preparado para ser acessado em celulares ou outros dispositivos que suportem versões WAP e Xhtml. O grupo anuncia para breve uma versão para o formato do iPhone e iPod Touch. Além do acesso a conteúdos do portal, 15 editorias farão parte do conteúdo que poderá ser recebido em forma de SMS por usuários das operadoras Claro, Vivo e Oi (R$ 0,10 por mensagem). Esporte, economia, cultura e outros conteúdos específicos fazem parte da estratégia. Um dos destaques será o canal especial de Verão com informações sobre o Carnaval de Salvador. Uma equipe foi formada para produzir conteúdos específicos para aparelhos portáteis com textos mais curtos que os qu
e aparecem nas versões normais do portal. 
O Grupo A Tarde vem
 investindo em convergência jornalística através de suas mídias como rádio, jornal, portal, agência, revista e canal mobile. Em dezembro, lançou o primeiro projeto com tecnologia QR Code no jornal impresso no Brasil. O investimento de A Tarde em novas tecnologias se reflete nos departamentos criados para pensar e desenvolver projetos na área com a instituição da Coordenadorias de Jornalismo Integrado (Mariana 
Carneiro), Coordenadoria de Novos Negócios (Ana Carolina Casais) e Coordenadoria de Conteúdo Móvel (Iloma Sales). 

Mundo mobile –  Em tempo! Vale a pena acompanhar também a iniciativa do site Jornalistas da Web, que desde ontem, passou a criar links na sua versão mobile (jornalistasdaweb.com.br/mobile) para outros sites móveis externos. A idéia é disponibilizar todos os links de forma a auxiliar os usuários de dispositivos móveis a agregarem novas fontes. Com mais de 4 bilhões de celulares no mundo e o crescente acesso à internet por dispositivos móveis um verdadeiro mundo móvel se descortina. 

Este blog de Jornalismo Móvel também pode ser acessado em formato mobi em http://jornalismomovel.mofuse.mobi/