Livros digitais no Brasil. O que acontece agora?

Captura de Tela 2012-12-14 às 22.05.19

O Brasil está gradativamente entrando no circuito do consumo de livros digitais. Depois da iBookstore (da Apple), a Amazon e a Google aportaram no país com a venda de ebooks, além da Saraiva e Livraria Cultura, que já comercializavam livros em formato e-pub. Em relação a essas duas nacionais, careciam de mais competição para tornar os livros digitais  mais atraentes tendo em vista que o preço praticado era praticamente era o mesmo das versões de papel.

Mesmo com as novas empresas, por enquanto ainda não visualizamos uma mudança tão radical no mercado em termos de preços. As editoras ao negociarem conseguiram impor seu poder de barganha para Amazon, Google e Apple, depois de anos de negociações,  de forma que o consumidor continua preso ao modelo de negócios basedo apenas no lucro das editoras que querem equilibrar a mesma logística para o impresso e digital como se fosse a mesma coisa e a mesma lógica.

Esse cenário pode mudar em breve e as editoras serão forçadas a reduzir os valores para aquisição de arquivos digitais das publicações porque não justifica a equiparação impresso-digital em termos do que é cobrado. Com os novos dispositivos de leitura que começam a adentrar ao país via Amazon e outras editoras virtuais indicam que a cultura da mobilidade também chegará aos livros, revistas e jornais. Além do ebook, Google Play e Apple Store já vendem ou alugam filmes. A Netflix também está nesse jogo de consumo online.

Portanto, vale a pena acompanhar e experimentar esses novos tempos. A chegada das livrarias como Amazon e Apple ainda não significa nada, não causou nenhuma revolução e nem deve ocasionar em curto prazo. Entretanto, é possível que em breve possamos volta a esse espaço para dizer que no Brasil os livros digitais vendem mais que os livros impressos pela primeira vez. E, esperamos, por dois motivos: (1) livros digitais mais baratos que os impresso; (2) leitores de livros (e-reader ou tablets) também mais em conta para o consumidor. E, claro, um acervo de qualidade e quantidade que justifique a mudança de hábito. Voltaremos a explorar com mais profundidade este assunto.

Novo lugar…

O blog http://jornalismomovel.blogspot.com (redirecionado para cá) foi o primeiro ou um dos primeiros do país a discutir a questão do jornalismo móvel no longíquo 2007, que para efeito de dinâmica de mudanças tecnológicas é um tempo significativo. O espaço surgiu como diário de bordo de pesquisa de doutorado e ampliou suas finalidades e público: do acadêmico para um público geral que começava a despertar para o “mundo móvel”, para a “cultura da mobilidade”.

Entretanto, estudantes de jornalismo, professores de jornalismo  e jornalistas de empresas de comunicação (compreendido em uma dimensão multiplataforma) são, sem dúvida, os principais visitantes do espaço. Todavia, devido a nova lógica de abrangência que as tecnologias móveis digitais desencadeiam e impactam na vida econômica, cultural, nos novos hábitos de consumo, educação e etc. nas práticas sociais mediadas por dispositivos móveis, a discussão vai muito além da cultura jornalística e suas práticas permitindo que os assuntos aqui discutidos interessem a um número maior de pessoas pelas finalidades às mais diversas.

O blog esteve parado. Os motivos do abandono do espaço por um longo período se deve, sobremaneira, por questões pessoais relacionadas a problemas de saúde na coluna, que me perseguem desde 2006 e que, em alguns períodos, como os mais recentes, impõem uma reordenação das atividades com o afastamento obrigatório ou voluntário (alguns momentos)  do uso de computadores.

Novas motivações (e condições físicas e mentais) me trazem de volta ao prazer de blogar, de compartilhar, de interagir e de refletir sobre esse “mundo móvel”, que está cada vez mais presente e em movimento. Não pretendo estabelecer um compromisso de postagens diárias, mas sempre que algo me motivar à reflexão estarei aqui para postar meus pensamentos e discutir com os interessados e, à medida do possível, trazer posts mais densos que possam aprofundar questões fundamentais para pensar a mobilidade e o jornalismo.

Neste sentido, resolvemos retomar o blog em um novo domínio (www.jornalismomovel.com.br) para que possamos explorar outras condições técnicas e de expansão da visibilidade do mesmo. Espero que este novo momento seja tão estimulante quanto foi no início da criação do blog. Novos projetos atrelados emergirão ao longo de 2013 para expandir o trabalho. Aguardem!

Agradeço aos que, mesmo sem atualizações, se mantiveram fiéis ao antigo blog (conforme o Analytics revela). Sugiro que curta nossa fan page na rede social facebook, adicione nosso blog no seu agregador de RSS ou acompanhe as postagens por email. Enfim, sejam bem-vindos!