Arquivo da categoria: cibercultura

Conferência sobre cibercultura discute divisão digital no século XXI

Na próxima quarta-feira, dia 19, às 19h no Teatro do ICBa (Salvador), acontece mais um debate sobre a cultura contemporânea e tecnologia dentro da programação do Ciclo Internacional de Debates sobre Cibercultura no século XXI. A mesa deste mês tratará da “Divisão Digital – Incluindo no Século XXI”. A mesa contará com a presença dos Professores Gilson Schwarz (USP), Sérgio Amadeu (Cásper Líbero-SP) e Nelson Pretto (UFBA). Estão entre as perspectivas de debates a exclusão digital, cidade do conhecimento, Internet, propriedade intelectual, software livre e outros assuntos correlatos. A entrada é gratuita.

Estaremos postando para esse blog (via smartphone e GPRS) comentários e imagens diretamente do evento. Acompanhe.
fernando f. silva

Projeto WI-Fi Salvador já está no ar

Já está no ar o projeto WI-FI Salvador do Grupo de Pesquisa em Cibercidades da FACOM/UFBA realizado pelos pesquisadores do grupo (do qual também faço parte) sob coordenação do professor André Lemos. É um projeto inédito no país que utiliza o Google Map e um blog para registrar os pontos de conexão sem fio em Salvador (os hotspots). Já foram catalogados mais de 50 nesse levantamento inicial. Acessando o blog do projeto você pode também indicar outros pontos para acesso e enviar fotos e vídeos, além de deixar seu comentário sobre sua experiência com a conexão sem fio. O Projeto foi lançado na semana passada durante o Ciclo de Debates sobre Cibercultura, no Institut Goethe, em Salvador, onde foi discutido o tema sobre mídia locativas. No vídeo abaixo está um trecho da participação do professor doutor da UFBA, André Lemos, falando sobre mídias locativas e tecnologias móveis.

Grupo de Pesquisa em Cibercidades da UFBA lança projeto WI-FI Salvador

Na próxima quarta-feira, dentro da programação do Ciclo Internacional de Debates sobre Cibercultura, será lançado, em Salvador, um projeto inédito de mapeamento de conexões sem fio realizado pelo Grupo de Pesquisa em Cibercidades da FACOM/UFBA. É um projeto interessante para quem utiliza tecnologias móveis como notebook, computadores de mão e smartphones com wireless para estabelecer novas relações com o espaço urbano. Leia abaixo as informações e acesse o projeto http://www.wifisalvador.facom.ufba.br/


“O Grupo de Pesquisa em Cibercidade, da Faculdade de Comunicação da Ufba, lança nesta quarta às 19 horas, no Teatro do Icba, durante o Ciclo Internacional de Debates sobre Cibercultura, o site com o mapeamento dos hotspots de Salvador. O Wi-Fi Salvador (ver mapa acima) é um projeto que tem como objetivo mapear os pontos de acesso sem fio, revelando visualmente o desenvolvimento dessa tecnologia de acesso à internet na capital baiana e com isso informar às pessoas dos locais onde há a possibilidade de acessar a internet móvel.O projeto Wi-Fi Salvador é inédito no Estado e pioneiro no Brasil. Até agora, há mais de 50 locais de conexão sem fio registrados. “Nos principais serviços de busca na internet (nacionais e internacionais), não encontramos mais do que 10 hotspots para Salvador. Isso não corresponde à realidade como já mostra o número de hotspots descobertos pela equipe do GPC”, explica o professor André Lemos, coordenador do projeto. ”Para que o nosso mapa esteja sempre atualizado, construimos um blog colaborativo onde qualquer pessoa pode indicar novos hotspots, enviar material multimídia e comentar os lugares e sua experiência.”A tendência do crescimento de pontos de acesso a internet Wi-Fi em Salvador reflete uma panorama mundial e nacional. No Brasil, cidades como Belo Horizonte e Ouro Preto (MG), Parati (RJ) e Porto Alegre (RS) estão implantando redes sem fio através da iniciativa dos poderes públicos municipais e/ou estaduais. Entretanto, em Salvador não existe nenhuma iniciativa do poder público local e o aumento do número de hotspots é promovido apenas pela iniciativa privada ou pelo uso doméstico. O site além de identificar a localização dos hotspots, conta com fotos, vídeos e depoimentos das pessoas que utilizam essas conexões. O endereço do site é www.wifisalvador.facom.ufba.br .”

Evento sobre cibercultura debate Mídia Locativa em Salvador

No próximo dia 15 de agosto, às 19h00, no Teatro do Goethe Institut-ICBA, em Salvador, ocorrerá mais uma mesa do ciclo de debates sobre cibercultura. Desta vez o tema será “Locative Mídia” com a participação dos professores-pesquisadores André Lemos, da UFBA, Rodrigo Firmino da PUC-PR e Lucia Leão, da PUC-SP. O ciclo de debates é organizado pelo Grupo de Pesquisa em Cibercidades da UFBA, Ciberpesquisa, GPC e ICBA com apoio da CAPES. No dia do evento também será lançado o projeto “Wi-fi Salvador”, que está mapeando os hotspots (conexões sem fio) públicos de Salvador com a disponibilização num blog com fotos, vídeos, mapas e outras informações. Abaixo um trecho sobre o tema Mídia Locativa, que será discutido pelos palestrantes no evento:

“Mídia Locativa é um conjunto de tecnologias e processos info-comunicacionais cujo conteúdo informacional vincula-se a um lugar específico. Locativo é uma categoria gramatical que exprime lugar, como “em”, “ao lado de”, indicando a localização final ou o momento de uma ação. As mídias locativas são dispositivos informacionais digitais cujo conteúdo da informação está diretamente ligado a uma localidade. Isso implica uma relação entre lugares e dispositivos móveis digitais até então inédita. Esse conjunto de processos e tecnologias caracteriza-se por emissão de informação digital a partir de lugares/objetos. Esta informação é processada por artefatos sem fio como GPS, telefones celulares, palms e laptops em redes Wi-Fi ou Wi-Max, Bluetooth, ou etiquetas de identificação por rádio freqüência, RFID. As mídias locativas são utilizadas para agregar conteúdo digital a uma localidade, servindo para funções de monitoramento, vigilância, mapeamento, geoprocessamento (GIS), localização… Dessa forma, os lugares passam a dialogar com dispositivos informacionais, enviando, coletando e processando dados a partir de uma relação entre informação digital, localização e artefatos digitais móveis. Várias empresas, mas também artistas e ativistas, têm utilizado a potência das mídias locativas como forma de marketing, publicidade e controle de produto, mas também como escrita e releitura do espaço urbano, como forma de apropriação e resignificação das cidades (André Lemos).”

Vale a pena conferir o evento!!!!

fernando f. silva

vídeo do rafinha e cibercultura

Para “apimentar” mais ainda a discussão em torno do livro de Andrew Keen, “Culto ao amador” veja esse vídeo sobre rafinha. O vídeo é baseado no Livro “A cauda longa” (the long tail) de Chris Anderson e fala sobre o crescimento dos nichos de mercado em oposição aos hits que dominavam, por exemplo, a indústria fonográfica. Esse vídeo mostra as mudanças que estão ocorrendo em relação ao comportamento de jovens da cibercultura que consomem iPods, iPhones, leitura na internet, baixa arquivos em redes P2P, utiliza msm para se comunicar com outros amigos. Enfim, mostra as mudanças que vem ocorrendo nas últimas décadas a partir das novas práticas do ciberespaço. Esse livro de Chris Anderson confronta-se bem com o de Andrew Keen e oferece uma visão apropriada dessas transformações que estão ocorrendo e afetam o jornalismo, a indústria fonográfica, a indústria de Hollywood, as redes de tv e proporcionam mais participação das pessoas via redes de comunicação digitais.

fernando f. silva