Livros digitais no Brasil. O que acontece agora?

Captura de Tela 2012-12-14 às 22.05.19

O Brasil está gradativamente entrando no circuito do consumo de livros digitais. Depois da iBookstore (da Apple), a Amazon e a Google aportaram no país com a venda de ebooks, além da Saraiva e Livraria Cultura, que já comercializavam livros em formato e-pub. Em relação a essas duas nacionais, careciam de mais competição para tornar os livros digitais  mais atraentes tendo em vista que o preço praticado era praticamente era o mesmo das versões de papel.

Mesmo com as novas empresas, por enquanto ainda não visualizamos uma mudança tão radical no mercado em termos de preços. As editoras ao negociarem conseguiram impor seu poder de barganha para Amazon, Google e Apple, depois de anos de negociações,  de forma que o consumidor continua preso ao modelo de negócios basedo apenas no lucro das editoras que querem equilibrar a mesma logística para o impresso e digital como se fosse a mesma coisa e a mesma lógica.

Esse cenário pode mudar em breve e as editoras serão forçadas a reduzir os valores para aquisição de arquivos digitais das publicações porque não justifica a equiparação impresso-digital em termos do que é cobrado. Com os novos dispositivos de leitura que começam a adentrar ao país via Amazon e outras editoras virtuais indicam que a cultura da mobilidade também chegará aos livros, revistas e jornais. Além do ebook, Google Play e Apple Store já vendem ou alugam filmes. A Netflix também está nesse jogo de consumo online.

Portanto, vale a pena acompanhar e experimentar esses novos tempos. A chegada das livrarias como Amazon e Apple ainda não significa nada, não causou nenhuma revolução e nem deve ocasionar em curto prazo. Entretanto, é possível que em breve possamos volta a esse espaço para dizer que no Brasil os livros digitais vendem mais que os livros impressos pela primeira vez. E, esperamos, por dois motivos: (1) livros digitais mais baratos que os impresso; (2) leitores de livros (e-reader ou tablets) também mais em conta para o consumidor. E, claro, um acervo de qualidade e quantidade que justifique a mudança de hábito. Voltaremos a explorar com mais profundidade este assunto.