Polêmicas no Jornalismo Cidadão

Volto ao assunto da produção amadora de caráter jornalístico. Com o acidente do airbus da TAM e a disseminação de fotos, textos e vídeos na “grande imprensa”, produzidos por amadores, ficou mais visível o chamado jornalismo participativo ou jornalismo cidadão constituído da colaboração de internautas. Esse recurso vem sendo utilizado pelo Globo Online, Portal Terra, Estadão, IG, Folha Online. Junto com essas contribuições vieram também as polêmicas em decorrência de algumas imagens fraudulentas manipuladas no photoshop e repassadas (de forma irresponsável) por alguns internautas como aconteceu com a Folha (que também não teve o cuidado básico de checar a veracidade da imagem) em que uma suposta vítima tentava pular do prédio da TAM em chamas. Nessa discussão uns estão defendendo o jornalismo colaborativo e outros estão se posicionando contra. Para acompanhar esse debate reuni aqui alguns posts dos contra e dos a favor para que você, leitor desse blog, possa se inteirar e tirar suas próprias conclusões. Aqui mesmo no blog – à direita – você tem uma enquete sobre o assunto. Penso que o jornalismo com a produção amadora é sem volta, mas evidentemente precisa passar por aperfeiçoamentos (que não se entenda censura) para que essas contribuições sejam de fato colaborações valiosas para a formação da opinião pública em situações em que os meios de comunicação de massa se furtam de noticiar por interesses escusos. A maioria das contribuições tem sido efetivamente positivas e abre portas para um jornalismo mais participativo. Evidentemente que quando se trata de imagens de uma tragédia como essa da TAM, envolvendo tantas vítimas, as distorções que ocorrem de pessoas que tentam se aproveitar da situação geram muita polêmica e o assunto precisa ser discutido. E você pode aproveitar este espaço para deixar também sua opinião, seu comentário. Leia: “A Internet sucumbe ao espírito de porco“, no Observatório da Imprensa; “O Jornalismo colaborativo funciona“, no Jornalistas da Web; e “Farsa em destaque“, Ombudsman da Folha Online.

fernando f. silva